conecte-se conosco


Internacional

Variante delta faz Rússia ter recorde de mortes por Covid e Austrália confinar 10 milhões

Publicado

Número de óbitos superou o pico da 2ª onda na Rússia, que é o país com mais vítimas da Europa. Já a Austrália tem sido um exemplo na pandemia. Mas ambos sofrem com uma campanha de vacinação lenta.

O avanço da variante delta tem provocado uma piora da pandemia em diversos países. A Rússia registrou nesta terça-feira (29) um recorde diário de mortes por Covid-19 e a Austrália determinou o confinamento de quase 10 milhões de pessoas (cerca de 40% da população do país).

A Rússia registrou 652 mortes por Covid-19 e mais de 20 mil casos confirmados nas últimas 24 horas. O pico anterior da pandemia havia acontecido no fim de dezembro, no auge da segunda.

Moscou, principal foco de contágios e mortes do país, registrou 121 óbitos e São Petersburgo, 119. A segunda maior cidade da Rússia receberá na sexta-feira (2) uma partida das quartas de final da Eurocopa, entre Suíça e Espanha.

Autoridades da Finlândia revelaram na segunda-feira (28) que cerca de 300 torcedores que voltaram ao país após assistir aos jogos do torneio de futebol em São Petersburgo testaram positivo.

Torcidores finlandeses fazem festa em São Petersburgo, na Rússia, antes de partida da Eurocopa contra a Bélgica — Foto: Reuters

Torcidores finlandeses fazem festa em São Petersburgo, na Rússia, antes de partida da Eurocopa contra a Bélgica.

Preocupação global

A variante delta (antes conhecida como variante indiana) é uma das quatro cepas de preocupação global (VOCs, na sigla em inglês). As outras 3 são a alfa (variante britânica), a beta (sul-africana) e a gama (brasileira ou P.1).

Ela é mais contagiosa e reduz a eficácia das vacinas contra a Covid-19, principalmente se a pessoa tomou apenas uma dose.

Rússia

A Rússia tem oficialmente 134.545 mortes causadas pelo coronavírus e é o país mais afetado da Europa. Mas a agência de estatísticas Rosstat, que contabiliza também os óbitos decorrentes da Covid-19, já contabilizava quase 270 mil vítimas no fim de abril, há dois meses.

Quase 90% dos novos casos em Moscou são provocados pela variante delta, segundo o prefeito da capital russa, Serguei Sobianin. A cidade está atualmente com 75% dos leitos para Covid-19 ocupados e adotou as primeiras restrições em quase seis meses.

A capital russa voltou a determinar o trabalho remoto para ao menos 30% das pessoas não vacinadas, passou a obrigar a vacinação dos funcionários do setor de serviços e criou um “passaporte” para permitir a entrada em restaurantes.

Austrália

Quase 10 milhões de australianos receberam a ordem do governo de cumprir um confinamento a partir da noite desta terça em várias cidades do país, devido ao aumento no número de casos.

Habitantes de Sydney (sudeste), Darwin (norte) e Perth (oeste) já estão em lockdown. Agora, residentes de Brisbane (leste) e de várias áreas do estado de Queensland terão de ficar em casa por pelo menos menos três dias.

A Austrália tem uma das mais bem sucedidas estratégias de combate ao vírus. Desde o início da pandemia, o país registrou pouco mais de 30 mil casos e 910 mortes.

Vacinação lenta

Tanto a Rússia quanto a Austrália ainda sofrem com campanhas de vacinação lentas contra a Covid-19. Os russos desconfiam da Sputnik V, usada em dezenas de países em todo o mundo, apesar dos reiterados apelos do presidente Vladimir Putin.

O país é 14º que mais aplicou doses de vacinas contra a Covid-19 no mundo, segundo o “Our World in Data”, projeto ligado à Universidade de Oxford.

Foram 38,7 milhões, o que coloca a Rússia à frente do Canadá (36,2 milhões) e atrás da Espanha (39,9 milhões). O número equivale a 26,5 doses a cada 100 habitantes, patamar semelhante ao de Belize (26,6) e Bulgária (25) e muito inferior à média mundial (38,5).

Na Austrália, o pressionado primeiro-ministro Scott Morrison anunciou que a vacinação será obrigatória para funcionários de instituições que cuidam de idosos e dos centros de quarentena.

Quase 7,4 milhões de doses foram administradas no país, o equivalente a 28,9 doses a cada 100 australianos, patamar um pouco superior ao da Rússia. O governo também é criticado por não divulgar o número de pessoas totalmente vacinadas.

Leia mais:  Japão prorroga estado de emergência por covid-19
publicidade

Internacional

Hospital nos EUA faz transplante de rim em paciente errado

Publicado

Um hospital de Cleveland (Ohio, EUA) reconheceu um grave erro: uma equipe médica realizou recentemente um transplante de rim em paciente errado. A fila de espera apontava outro receptor do órgão.

A direção do hospital universitário se desculpou pelo erro e informou que dois funcionários foram colocados em licença administrativa. Incrivelmente, o rim dado ao paciente errado se mostrou compatível e se espera que a pessoa que o recebeu no lugar de outra se recupere totalmente, disseram autoridades locais, segundo afiliada da rede Fox.

A cirurgia do outro paciente foi adiada. Autoridades disseram que o hospital abriu sindicância para descobrir como o erro ocorreu e evitar erros semelhantes no futuro. Os nomes dos envolvidos não fooram divulgados.

“Oferecemos nossas sinceras desculpas a esses pacientes e as suas famílias”, disse o porta-voz do hospital, George Stamatis, em um comunicado. “Reconhecemos que eles nos confiaram seus cuidados. A situação é totalmente inconsistente com 0 nosso compromisso de ajudar os pacientes a voltarem à saúde e viverem a vida plenamente”, acrescentou ele.

O hospital notificou a United Network for Organ Sharing, que gerencia o sistema nacional de transplantes e que é a responsável pela distribuição dos órgãos na fila de espera.

Leia mais:  Opositor de Putin sai do coma induzido após envenenamento
Continue lendo

Internacional

Japão prorroga estado de emergência por covid-19

Publicado

País registra um aumento de casos da doença uma semana depois do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio

O Japão prorrogou nesta sexta-feira (30) a emergência sanitária por covid-19 em Tóquio e a ampliou para outras quatro regiões, após o aumento dos contágios, uma semana depois do início dos Jogos Olímpicos.

“Decretamos o estado de emergência para Saitama, Chiba, Kanagawa e Osaka”, afirmou o primeiro-ministro Yoshihide Suga, antes de acrescentar que a medida, já em vigor em Tóquio e Okinawa (sul), foi estendida até 31 de agosto.

Na quinta-feira (29), o Japão registrou mais de 10 mil casos de coronavírus pela primeira vez, o que levou autoridades e especialistas a advertirem para o risco que implica a propagação da variante Delta.

O surto no país é comparativamente pequeno. Desde o início da pandemia, foram registradas 15.000 mortes, e o governo nunca adotou medidas de confinamento rígido. Apenas 25% da população está completamente vacinada.

O recorde de casos acontece em pleno desenvolvimento dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Nas últimas 24 horas, foram registrados 27 novos contágios, o maior número diário desde o início do evento esportivo, segundo o comitê organizador.

“O contágio está se espalhando a uma velocidade nunca antes vista”, especialmente dentro e ao redor da região de Tóquio, disse o primeiro-ministro Suga.

“A variante delta altamente contagiosa se impõe rapidamente e, se o aumento de infectados, não parar é possível que os hospitais fiquem lotados”, alertou.

Anteriormente, a ministra da Saúde, Norihisa Tamura, afirmou que o governo queria enviar uma “mensagem forte” ao prorrogar o estado de emergência, já que a variante Delta agora responde por “mais de 50% dos casos” em Tóquio.

O atual estado de emergência em Tóquio restringe o horário de funcionamento de bares e restaurantes e proíbe a venda de bebidas alcoólicas. Os especialistas alertam para um relaxamento de seu cumprimento e um aumento de casos entre os jovens.

Leia mais:  Japão prorroga estado de emergência por covid-19
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana