conecte-se conosco


Internacional

Velório de Maradona é estendido em três horas por medo de protestos

Publicado

Multidão forma três quilômetros de filas para dar último adeus ao ídolo do futebol mundial. Polícia havia tentado encerrar cerimônia mais cedo

Ainda com milhares de pessoas para dar o último adeus a Diego Armando Maradona, a família do ídolo argentino autorizou que o velório se estendesse em três horas, agora até as 19 horas (horário local e de Brasília). Um princípio de confusão marcou o início da tarde desta quinta-feira (26), na Casa Rosada, com uma provável tentativa de encerrar a fila de visitantes mais cedo.

Maradona começou a ser ver velado na sede do governo argentino ainda de madrugada, em uma cerimônia apenas para familiares e amigos próximos. Às 6 horas, os portões se abriram para que a multidão começasse a entrar no salão principal e ver o caixão, que estava coberto com a bandeira do país e uma camiseta do Boca Juniors, time pelo qual se consagrou. Segundo as autoridades, um milhão de pessoas poderia passar por ali.

O que se viu, no entanto, foi uma fila de três quilômetros para que as pessoas pudessem ver o caixão por apenas 15 segundos. Quando os policiais tentaram aparentemente encerrar a fila antes das 16 horas, o primeiro horário prevista, fãs se revoltaram e entraram novo confronto com a polícia — pela manhã, também havia tido confusão com os primeiros apaixonados, apressados para se despedir do ídolo. Desta vez, a polícia usou bombas de efeito moral e spray de pimenta para conter a multidão.

O temor era que o encerramento no horário previsto provocasse ainda mais tumulto. A fila que começava na Plaza de Mayo, em frente à Casa Rosada seguia até a avenida Nove de Julho.

Maradona, que morreu vítima de uma parada cardiorespiratória, será enterrado no cemitério Jardim da Paz, no bairro de Bella Vista, na periferia de Buenos Aires. Por lá, os pais do craque, Dalma e Don Diego, estão enterrados. A família pensou inicialmente em um sepultamento no fim de semana justamente para que mais pessoas pudessem acompanhar o velório.

Além de uma reação com a segurança, as autoridades sanitárias também estão em alerta em razão da pandemia do novo coronavírus. Apesar do uso obrigatório de máscaras e aferição da temperatura na entrada da Casa Rosada, não há como manter o distanciamento social. A Argentina até agora registrou 1.390.375 de casos e 37.714 mortes pela covid-19.

Leia mais:  Mulher será 1º executada por governo dos EUA em quase 70 anos
publicidade

Internacional

Índia supera o Brasil como segundo país com mais casos de covid-19

Publicado

País teve um aumento de casos, registrando mais de 168 mil novas infecções nas últimas 24h, e chegou a 13,5 milhões de contágios

A Índia superou o Brasil nesta segunda-feira (12) como o segundo país com o maior número de infecções de coronavírus, ao notificar um novo recorde diário de mais de 168 mil casos.

O país de 1,3 bilhão de habitantes registrou um rápido aumento de novas infecções nas últimas semanas, o que eleva o total de casos a 13,5 milhões, acima dos 13,48 milhões do Brasil. 

Os especialistas advertiram que as multidões, em sua maioria sem máscaras e aglomeradas, nos comícios nos estados com eleições programadas, as festas religiosas e outros eventos públicos estão alimentados a nova onda de infecções.

“Todo o país foi complacente: permitimos concentrações sociais, religiosas e políticas”, declarou à AFP Rajib Dasgupta, professor de Saúde da Universidade Jawaharlal Nehru. “Ninguém faz fila para o distanciamento social”, afirmou.

A Índia registrou mais 873 mil casos nos últimos sete dias, um aumento de 70% na comparação com a semana anterior, segundo os dados compilados pela AFP. 

Em comparação, o Brasil registrou pouco mais de 497 mil casos, com uma tendência de alta de 10% na comparação com a semana anterior. 

Estados Unidos, país mais afetado, registrou pouco menos de 490 mil casos, com uma tendência de alta de 9%. 

A alta na Índia, depois que o número de casos diários ficou abaixo de 9 mil no início de fevereiro, levou os estados e territórios mais afetados a anunciara restrições de movimento e de atividades.

O estado mais rico do país, Maharashtra, o principal responsável pela aceleração de casos, adotou um confinamento de fim de semana e toque de recolher noturno. 

Leia mais:  Equatorianos comemoram acordo com governo nas ruas de Quito
Continue lendo

Internacional

Família invade hospital e ‘rouba’ corpo de parente morto por covid-19

Publicado

Os familiares afirmam que o hospital teria deixado o paciente morrer e questionam o laudo médico

Uma família invadiu um hospital e retirou o corpo de um familiar que havia morrido na unidade. O caso aconteceu na última quinta-feira (08), na cidade de Fundación, na Colômbia. 

De acordo com informações do portal de notícias colombiano RCN, Ramón Eliecer Quintero, de 59 anos, morreu por complicações da covid-19. No entanto, os familiares não concordaram com o diagnóstico médico e com os protocolos que são aplicados às vítimas do novo coronavírus, como enterros rápidos, com poucos pessoas presentes e com caixão fechado. 

Segundo as informações do RCN, a família afirma que o hospital teria deixado o paciente morrer e questiona o laudo médico, já que a vítima sofria de problemas respiratórios há cerca de 14 anos. 

O hospital negou que tenha deixado o paciente morrer e afirmou que Ramón recebeu todos os cuidados necessários enquanto esteve internado na unidade.

Leia mais:  Irã anuncia execução de lutador acusado de matar segurança
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana