conecte-se conosco


Mundo Cristão

“Vi a morte, mas Deus me curou”, diz pastor curado do coronavírus

Publicado

O ano de 2020 parecia ser apenas mais um, como todos os outros anos. Todos levavam suas vidas sem imaginar que iriam enfrentar a pandemia do novo coronavírus e até mesmo lutar contra a doença, como o pastor Evandro Felipe da Silva, de 61 anos.

O pastor contou toda a sua experiência durante o período que esteve internado para se tratar dos sintomas da Covid-19.

Ele disse que começou com os sintomas de tosse, secreção, cansaço e falta de ar, e por ser do grupo de risco suspeitou do coronavírus e foi junto com sua filha ao pronto atendimento de Cobilândia, onde fez o teste que terminou confirmando o contágio.

“Eu nasci de novo para contar meu testemunho. O espírito santo me curou!”, comemorou o pastor, segundo informações da Tribuna Online.

Ele passou 27 dias internado e relata o quão difícil foi durante esse período, pois chegou a presenciar pessoas morrerem com o vírus. O pastor também chegou a ser entubado por causa do quadro que apresentava.

Depois que apresentou melhora, Evandro Felipe da Silva foi transferido para o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, onde passou mais 9 dias em observação. Ele diz que a fé foi o fator predominante da sua cura.

“Passei os piores dias da minha vida, mas, graças a Deus, eu tive uma melhora e recebi alta na tarde de ontem (segunda-feira)”, destacou o líder religioso.

O pastor também explicou que tomou todas as medidas de precaução e prevenção contra o coronavírus, e acha que contraiu o vírus durante suas saídas para os serviços essenciais, como ir ai mercado por exemplo.

“Para mim, essa doença é bíblica. Nunca duvidei dela e, por isso, estava evitando sair de casa”, relatou. “Vi a morte, mas Deus me curou”, completou Evandro, certo de que Deus o livrou da morte por meio da Sua misericórdia.

“Eu sou a Verdade e a Vida. Quem crê em mim, jamais morrerá”. Acho que essa frase bíblica já diz tudo. Tenham fé. Para quem não passou por isso, peço que se cuide, pois essa doença é avassaladora,” conclui.

Leia mais:  'Jamais imaginei que aquilo existisse', diz pastor sobre mensagens deixadas por jovem que matou os pais no ES
publicidade

Mundo Cristão

‘Aqui não tem pastora, nem de consideração’, diz pastor da Assembleia de Deus

Publicado

O posicionamento das Assembleias de Deus ligadas à CGADB em relação à ordenação de mulheres à função de pastora voltou a ser discutido nas redes sociais após um vídeo do pastor Roberto José dos Santos, de Pernambuco, viralizar.

Santos, que é dirigente da Assembleia de Deus em Abreu e Lima, conduzia uma aula da Escola Bíblica de Obreiros, quando aproveitou a ocasião para reprovar o costume que vem se disseminando entre muitas igrejas evangélicas.

“Ah, meu pastor, minha pastora. Aqui não tem pastora. Nem consagrada, nem de consideração. É a esposa do pastor. Não tem pastora”, disse Santos, enfaticamente.

“Em Abreu e Lima não tem pastora nem por consagração e nem por consideração. ‘É que a gente considera’. Não tem consideração de pastora. É a esposa do pastor, isso é pra ficar bem claro. Porque agora está uma moda de pastora. Cada um fica na vocação que foi chamado. O homem é o pastor, e a esposa dele é auxiliadora”, acrescentou o pastor.

Esse posicionamento não é particular do pastor Roberto José dos Santos, mas sim, uma conceituação histórica das Assembleias de Deus, estabelecida desde a primeira convenção da denominação, realizada em 1930 em Natal (RN), de acordo com informações do JM Notícia.

‘Antibíblico’

Esse posicionamento havia sido ecoado há alguns anos, quando o saudoso pastor Antonio Gilberto concedeu uma entrevista destacando que a ordenação de mulheres ao ministério pastoral é antibíblica.

“Muitas vezes elas fazem o trabalho melhor do que os homens. Mas ordenar para o Santo Ministério, não tem base nas Escrituras. E como é que isso está acontecendo?”, questionou Antonio Gilberto.

“É a igreja a culpada e a igreja vai prestar conta disso. A igreja que eu digo não é a igreja o prédio, os responsáveis vão prestar conta disso. Jesus nunca ordenou mulheres”, enfatizou.

Na ocasião, Antonio Gilberto destacou que o debate deve ser sobre a legitimidade bíblica de tais nomeações, e ponderou que a discussão não deve se restringir a esse tema, pois as lideranças das igrejas serão cobradas por Deus em todas as áreas.

Muitas outras coisas que não estão na Bíblia, mas que são impostas pelas igrejas, serão pesadas por Deus, alertou o pastor: “É antibíblico. E o que fazer? Quem estiver fazendo vai prestar conta a Deus. Mas infelizmente não é só ordenação de mulheres, é muita coisa que a igreja decide por ela”.

“Eu podia fazer menção aqui, não vou, não há necessidade. Para ninguém pensar que é só esse fato: são várias coisas que a igreja faz sem ter… Por exemplo, há igrejas que só separam (consagram) obreiros para o diaconato se forem casados, não estou criticando a igreja local, há igreja que só separa (consagra) casados, porque o escândalo está sendo grande de obreiros solteiros […] Onde está isso na Bíblia? Lugar nenhum. É a igreja que decide!”, exemplificou.

Leia mais:  Igrejas transformam distribuição de máscaras em oportunidade de evangelismo
Continue lendo

Mundo Cristão

Se a maconha for legalizada, o cristão pode fumar? Professor de teologia responde

Publicado

Como a maconha continua sendo defendida por lobistas de uma indústria milionária e sua aceitação cultural tem aumentado, muitos cristãos têm se questionado se o uso recreativo da droga é aceitável, já que em muitos lugares, ela está sendo legalizada.

Um professor de teologia chamado Todd Miles, que leciona no Western Seminary e publicou um livro intitulado Cannabis and the Christian: What the Bible Says about Marijuana (“Cannabis e o cristão: o que a Bíblia diz sobre a maconha”, em tradução livre), comentou o tema durante um podcast recentemente.

Segundo Miles, embora a Bíblia não diga nada explicitamente sobre a maconha, as Escrituras oferecem uma infinidade de “sabedoria” e orientação que podem ajudar os cristãos a resolverem o problema.

“Temos todas as palavras divinas de que precisamos para viver fielmente. Há muito para informar sobre a questão do uso recreativo e até mesmo medicinal da maconha”, afirmou o professor.

Sua abordagem, disse ele, é orientar os cristãos a “começarem a pensar intencionalmente” sobre a complexa questão, especialmente quando se trata dos perigos em torno da droga que muitas vezes são minimizados.

“As autoridades de saúde mental sabem que há uma forte ligação entre o início precoce da doença mental, esquizofrenia […] e o uso de maconha. E não devemos dizer o contrário”, pontuou.

Entre as muitas questões que cercam a maconha está a necessidade de diferenciar o uso medicinal da erva, já que essa aplicação vem sendo usada como argumento em prol da legalização, porém sem o enquadramento e as informações adequadas.

“Disseram-nos que [a maconha] é segura. Mas, uma vez que você escava abaixo da superfície, você encontra [a conclusão de que] não é bem assim”, acrescentou o professor.

Vícios

Miles disse que um dos equívocos e inverdades é que a maconha não vicia. Embora a droga possa não ser tão viciante quanto outras substâncias, ele resistiu a esse sentimento e observou alguns dos impactos adicionais que devem ser considerados ao discutir o assunto.

“Comprovadamente, ficar chapado de maconha […] prejudica as habilidades cognitivas, prejudica as habilidades físicas e prejudica o julgamento moral”, disse ele, observando que essas consequências são “inúteis”.

Miles apontou de volta para a ordem bíblica contra a embriaguez, que em sua totalidade se assemelha ao que acontece quando uma pessoa se envolve no uso recreativo de maconha: “Existe uma razão não médica para fumar maconha além de ficar chapado? Eu não acho que haja”, argumentou.

Para aqueles que acreditam que a maconha recreativa oferece alívio da ansiedade e outros problemas semelhantes, Miles alertou que esse tipo de uso deve ser diferenciado, já que a maioria dos remédios oriundos da erva não contém a substância alucinógena (THC):

“Nesse ponto, parece que você está se automedicando e passamos para uma categoria de maconha medicinal, não recreativa”, confrontou Todd Miles.

O professor tem a esperança de que as pessoas passem a examinar mais profundamente essas questões e o impacto que a maconha pode ter sobre o indivíduo: “Só porque a lei diz que algo está certo não significa necessariamente que esteja”, finalizou, segundo informações do portal The Christian Post.

 

Leia mais:  Jovens cristãos não estão preparados para enfrentar o ambiente acadêmico, diz professor

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana