conecte-se conosco


Brasil

Voo com 2 milhões de doses da vacina decola da Índia rumo ao Brasil

Publicado

Vacinas da Oxford/AstraZeneca devem chegar a São Paulo na manhã desta terça e serão levadas para o Rio onde serão rotuladas e distribuídas

Um avião da companhia Emirates, com remessa de 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra covid-19 decolou na madrugada desta segunda (22) de Mumbai, na Índia, e deve chegar a São Paulo às 6h55 desta terça-feira. A aeronave deixou a cidade indiana por volta das 10h30 da manhã (horário local), o que equivale a 2h da madrugada no horário de Brasília. A carga fará escala em Dubai, nos Emirados Árabes, de onde decolará para São Paulo às 22h40 (horário local) – 15h40 desta segunda (horário de Brasília).

O voo chegará a São Paulo amanhã de manhã e as vacinas seguirão para o Rio de Janeiro, onde serão levadas para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

As doses foram produzidas pelo Instituto Serum, parceiro da AstraZeneca na Índia e maior produtor mundial de vacinas. Mesmo prontas, as vacinas precisarão passar primeiro por Bio-Manguinhos para que possam ser rotuladas antes de serem distribuídas ao Programa Nacional de Imunizações.

A importação de doses prontas é uma estratégia paralela à produção de vacinas acertada entre a AstraZeneca e a Fiocruz. Para acelerar a disponibilidade de vacinas à população, 2 milhões de doses já foram trazidas da Índia em janeiro e está previsto um total de 10 milhões de doses prontas a serem importadas. Além dos 2 milhões que chegam amanhã ao país, mais 8 milhões estão previstas para os próximos dois meses.

Enquanto negocia a chegada das doses prontas, a Fiocruz trabalha na produção local das vacinas Oxford/AstraZeneca. Segundo o acordo com a farmacêutica anglo-sueca, a Fiocruz vai produzir 100,4 milhões de doses de vacinas até julho, a partir de um ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado. A primeira remessa desse insumo já chegou ao Bio-Manguinhos e o primeiro milhão de doses produzido na Fiocruz tem entrega prevista para o período de 15 a 19 de março.

De acordo com a fundação, os dois primeiros lotes estarão liberados internamente nos próximos dias. Esses lotes são destinados a testes para o estabelecimento dos parâmetros de produção.

“Com esses resultados, a instituição produzirá os três lotes de validação, cuja documentação será submetida à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Esses lotes somarão cerca de 1 milhão de doses e seus resultados serão enviados à Anvisa até meados de março”.

Também está em andamento na Fiocruz o processo de transferência de tecnologia para a produção do IFA no Brasil, o que tornará a fundação autossuficiente na produção das vacinas. A previsão é que as primeiras doses com IFA nacional sejam entregues ao Ministério da Saúde em agosto, e, até o fim de 2021, seja possível entregar 110 milhões de doses, elevando o total produzido no ano pela Fiocruz para 210,4 milhões.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:  Menino de 4 anos é assassinado na própria festa de aniversário
publicidade

Brasil

Mais de 200 pessoas têm contas de WhatsApp clonadas por dia no ES; saiba como se proteger

Publicado

Cibercriminosos estão se passando até por técnicos do Instituto Butantan no Espírito Santo para atrair vítimas e clonar contas

Os casos de clonagem de contas no aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp estão cada vez mais comuns. Os golpistas também estão sempre inovando para aplicar as fraudes. Entre as mais recentes no Estado, está a promessa de agendamento para vacinação contra a covid-19, além de ligações com o envio de SMS de golpistas se passando por técnicos do Instituto Butantan, fabricante do imunizante Coronavac no Brasil.

Somente em 2020, foram 73.909 capixabas vítimas de clonagem do WhatsApp, o que resulta, em média, em mais de 200 golpes aplicados por dia. Os dados são de um levantamento realizado pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe. Em todo o país, cerca de 5 milhões de pessoas caíram no “conto do vigário” virtual.

Os golpistas se aproveitam de um assunto em alta para chamar a atenção das vítimas. Uma das formas de abordagem funciona da seguinte maneira: alguém liga para o celular da vítima e pede dados pessoais para agendar a vacinação. Para isso, claro, pede para a pessoa confirmar os dados. É a oportunidade de os criminosos clonarem seus dados e o número do seu aplicativo de mensagens.

A situação fez com que o Ministério da Saúde realizasse um alerta: a pasta esclareceu que não liga e não envia SMS para que os cidadãos se cadastrem para tomar a vacina contra covid-19. As ligações do tipo são golpes com objetivo de clonar aplicativos de mensagem, alertou o ministério, que reiterou que não faz agendamento de vacinação, não solicita dados das pessoas nem envia quaisquer tipos de códigos para usuários do sistema de saúde.

O titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), o delegado Breno Andrade, acredita que, só nos primeiros dois meses deste ano, um golpe virtual é realizado por dia no Estado envolvendo clonagem de WhatsApp. 

“Com certeza, deve haver muito mais. Mas esses casos são enumerados como estelionato. Sem contar o grande número de pessoas que não registram boletim de ocorrência”, afirma. Ele, inclusive, foi alvo de um golpe em março do ano passado, quando recebeu um suposto pacote extra de internet pelo aplicativo de mensagens.

O diretor do dfndr lab, Emilio Simoni, explica que os cibercriminosos criam perfis falsos nas redes sociais, se passando por empresas e simulando o visual e a linguagem das marcas originais, inventando promoções e pesquisas. “Os golpistas utilizam de engenharia social para ganhar a confiança da possível vítima e conseguir convencê-la a passar seu código PIN, com o qual o criminoso pode obter acesso a conta do WhatsApp indevidamente”, afirma.

Simoni destaca que com o acesso à conta da vítima, os criminosos observam as conversas para entender o comportamento e a forma de comunicação do usuário, iniciando conversas se passando pelo dono da conta.

 “O golpista também poderá ler tudo que a vítima compartilhou ou foi enviado para ela, como dados pessoais, informações sigilosas da empresa em que trabalha, fotos e documentos. Com esse conteúdo em mãos, abre-se um leque de opções para os cibercriminosos realizarem chantagens e aplicarem outros golpes com os dados da vítima”, explicou.

O delegado Andrade também aconselha sempre desconfiar quando ofertas vantajosas chegam pelo aplicativo de mensagens. “São casos envolvendo promoções e prêmios de viagens, de dinheiro, de voucher e desconto em restaurantes e em faturas de consumo. É ´preciso não clicar ou confirmar dados envolvendo SMS e checar com as empresas sobre a veracidade do que se recebe”, descreve.

O alerta se estende para que as pessoas fiquem atentas a avisos relacionados à vacinação de covid-19. “Essas quadrilhas sempre se aproveitam do assunto do momento e o tema da imunização agora passa a ser explorado. A dinâmica é sempre a de que a vítima forneça os próprios dados, voluntariamente, por meio de um assunto em alta”, desenvolve.

O QUE FAZER SE VOCÊ FOI VÍTIMA

Quem se tornar vítima da clonagem da conta deve tomar algumas atitudes imediatas. O diretor do dfndr lab sugere seguir orientações do próprio aplicativo. “O WhatsApp recomenda que o usuário apague o aplicativo do smartphone, faça o download novamente e tente entrar com seu número, como se estivesse tentando pela primeira vez. O usuário receberá um código de ativação por SMS, que deverá ser informado no aplicativo. Nesse momento, se alguém estiver logado na sua conta será automaticamente desconectado”, recomenda.

Ele ressalta que é importante comunicar o ocorrido ao aplicativo, enviando um e-mail para o suporte ([email protected]) relatando brevemente o que aconteceu e informar o número do celular junto com o código internacional brasileiro e DDD (+55 XX).

“Além disso, é importante avisar aos contatos o que aconteceu. É comum que cibercriminosos enviem mensagens aos familiares e amigos da vítima pedindo transferências bancárias ou depósitos de dinheiro. Isso evitará que eles caiam em possíveis golpes ou passem informações sigilosas. Também é importante solicitar para seus amigos que removam sua conta dos grupos, onde mais pessoas podem ser contatadas pelos criminosos”, destaca.

Registro de ocorrência

Breno Andrade reforça a importância de comunicar o fato para a polícia. O procedimento é que a v´ítima faça um boletim de ocorrência através da Delegacia Online. “Além do registro, é necessário que o caso seja bem detalhado. O cidadão, além de descrever, deve reunir os prints das conversas pois são a comprovação do crime. É importante guardar esse material”, reforça.

Para evitar futuros golpes, além da desconfiança, o delegado aconselha que se utilize os procedimentos de segurança disponíveis. “É preciso ativar a verificação em duas etapas no WhatsApp. Assim, o aplicativo sempre irá verificar se é você mesmo se sua conta for acessada de um outro telefone”, indica. 

Até técnico do Butantan

Ainda na onda da vacinação contra a covid-19, no Estado houve relatos até de ligações de golpistas se passando por técnicos do Instituto Butantan, responsável pela fabricação do imunizante Coronavac no Brasil. O criminoso geralmente solicita informações para pesquisa da doença e oferece até kits de máscara e álcool em gel. 

Para confirmar o recebimento dos kits, ele pede para a vítima compartilhar um código de confirmação via SMS enviado pelo próprio fraudador. Se a vítima clica no link recebido, isso permite que o cibercriminoso clone a conta do aplicativo. O episódio aconteceu com um aposentado de 61 anos. 

“A pessoa se identificou como técnico do Butantan e fez várias perguntas. Instantes depois que eu passei o código de SMS que recebi, a minha conta de WhatsApp foi clonada. Depois eu soube que pediram dinheiro em meu nome. Foi uma dor de cabeça, mas a sorte é que eu agi rápido e consegui que o aplicativo desativasse a minha conta logo”, contou o morador da Praia do Canto, em Vitória, que preferiu não se identificar.  

Por meio de nota, o Instituto Butantan informou que não entra em contato por meio de ligações ou mensagens e nem faz a oferta dos supostos kits. Esclareceu, também, que informações e orientações podem ser acessadas por meio dos canais oficiais, como o site, por exemplo.

Evite os golpes

Dentre as dicas listadas pela dfndr lab para evitar a clonagem da conta do aplicativo, estão:

:: Instale uma solução de segurança em seu celular capaz de identificar tentativas de clonagem de WhatsApp, que alerta sempre que alguém tentar acessar o seu WhatsApp;

:: Ative a autenticação em dois fatores, dessa forma você poderá criar uma senha que será uma camada extra de segurança para sua conta de WhatsApp;

:: Procure pelo selo de verificação nos perfis das redes sociais das marcas e nunca passe informações pessoais e nenhum código que foi enviado para o seu celular; 

:: Não deixe o celular desbloqueado perto de pessoas desconhecidas, pois é possível que elas se conectem ao WhatsApp Web e tenham acesso às suas mensagens. Para verificar se alguém está acessando sua conta, clique nos três pontinhos no canto superior direito dentro do aplicativo e selecione “WhatsApp Web”. Se alguém estiver ativo, irá aparecer o nome do dispositivo no qual ele está conectado. Para sair basta clicar em “Desconectar de todos os aparelhos”.

Agendamento oficial

No Espírito Santo, o agendamento oficial para a vacinação do público-alvo é realizado por meio das prefeituras de cada município. Atualmente, grande parte dos municípios já realiza a vacinação dos idosos acima de 80 anos. Em Viana, a idade mínima atual é 78 anos.

Leia mais:  Deputados de oposição querem a saída de Weintraub do Ministério da Educação
Continue lendo

Brasil

Homem com coronavírus é preso após passar a mão em maçaneta de carro no RS

Publicado

Suspeito foi isolado em casa, mas fugiu e acabou sendo encontrado em cidade vizinha. Prefeitura realizou higienização de veículos após a ocorrência

Um homem com coronavírus foi preso, na quarta-feira (3), após passar a mão em maçanetas de veículos em Planalto, na Região Norte do Rio Grande do Sul, relatou a Brigada Militar (BM). A polícia chegou até o suspeito após denúncias de moradores e análise de câmeras de segurança (veja vídeo acima). Na cidade, que tem 10 mil habitantes, os vizinhos desconfiaram de atitudes do homem, como cuspir na mão.

Após a abordagem, a BM levou o suspeito a uma unidade de saúde para fazer um teste de Covid-19, que deu resultado positivo, com o vírus em atividade. O homem, que não teve a identidade e a idade divulgadas pelas autoridades, disse não saber que estava contaminado.

Após o registro de ocorrência na Polícia Civil, o indivíduo foi enviado para cumprir isolamento em casa. No entanto, o suspeito fugiu e foi encontrado, nesta quinta (4), em Iraí, a 33 km de Planalto, onde foi autuado novamente e isolado em um hospital.

Segundo o sargento da Brigada Militar Jonas Adriano Nicola, a polícia ainda não sabe a motivação do ato.

“Não sabemos se teve dolo ou culpa na conduta dele. A gente não sabe se ele faz algum tratamento psiquiátrico ou se sofre algum distúrbio”, relatou.

Limpeza da cidade

O município realizou uma limpeza dos locais por onde o suspeito passou durante a quarta-feira, principalmente nos pátios da prefeitura e do Hospital Medianeira. Segundo o prefeito Cristiano Gnoatto, a comunidade foi orientada a reforçar os cuidados com a higiene.

“Ao redor de onde ele fez isso, no pátio da prefeitura e no hospital, a gente passou álcool 70º em todos os veículos, nas maçanetas. Nós colocamos, na internet, orientando a população para que tomassem as providências, fizessem a higienização, principalmente nas ruas centrais do município”, explicou.

Segundo levantamento da Secretaria Estadual da Saúde, Planalto teve 398 casos de coronavírus e oito óbitos confirmados.

Leia mais:  Ocupação de UTIs supera 70% no Espírito Santo e em mais seis estados
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana