conecte-se conosco


Cidades

Governador Renato Casagrande e prefeito Enivaldo dos Anjos visitam clínica de hemodiálise em Barra de São Francisco

Publicado

O governador Renato Casagrande encerrou sua programação na região noroeste do Estado, iniciada na sexta-feira (6), com uma visita à Clínica Med.Álise Maura Maria de Paula, mais conhecida como Maura Cirilo, que está sendo implantada no bairro Irmãos Fernandes, em Barra de São Francisco e prometeu que o Governo do Estado está à disposição para apoiar o empreendimento.

Também marcaram presença no local a vice-prefeita de Ecoporanga, Ana Lúcia Alves Pereira, a Ana da Saúde e o presidente da Câmara de Vereadores daquele município, Genivaldo José de Oliveira, o Nem Gari, que salientaram a importância da clínica para a região. O município tem pelo menos 26 pessoas fazendo hemodiálise.

Casagrande destacou que o investimento das empresárias paulistas Josi e Izabeli Lopes, vai trazer mais conforto e tranquilidade para todos as pessoas que sofrem de insuficiência renal de toda a região, e parabenizou as empresárias e o prefeito Enivaldo dos Anjos, pela instalação da unidade.

O prefeito Enivaldo dos Anjos, que vinha lutando para trazer uma clínica de hemodiálise para Barra de São Francisco há muitos anos, destaca que o projeto vai trazer mais do que apenas filtragem do sangue das pessoas com problemas renais crônicos.  “A Josi (empresária Josi Lopes) nos garantiu que a empresa dela trabalha também na prevenção dos problemas renais, para evitar que as pessoas com predisposição a doenças renais tenham que fazer hemodiálise no futuro. Com o tratamento precoce, as pessoas poderão evitar ter que fazer uso da hemodiálise”, destaca.

A empresária Josi Lopes, por sua vez, salientou que a clínica vai entrar em funcionamento dentro de 60 a 70 dias, ou seja, até julho deste ano e terá 40 máquinas atendendo à população, o que, segundo ela, será suficiente para atender a demanda da região, que tem entre 200 e 220 pessoas em tratamento de hemodiálise na região.

Ela assegurou ainda que, na semana que vem chegam o restante dos equipamentos, como o ‘coração’ do serviço, que é o sistema de osmose.

Investimento 

A Prefeitura de Barra de São Francisco poderá investir cerca de R$ 1.000.000,00 este ano na aquisição de serviços da clínica de hemodiálise Med.Álise, da empresa Medsolutions, instalada no bairro Irmãos Fernandes e que começará a atender em breve.

A lei municipal que autoriza o município a comprar os serviços, com parâmetro nos valores pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) foi aprovada recentemente na Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito Enivaldo dos Anjos.

Leia mais:  Banestes Seguros celebra 50 anos de história e anuncia vantagens para os clientes

De acordo com a lei, a clínica prestará, além do serviço de hemodiálise, oxigenoterapia, tomografia computadorizada e ultrassonografia.

Só para o serviço de hemodiálise, a clínica deverá atender até 50 pacientes de Barra de São Francisco por mês, com mínimo de quatro sessões semanais.

A lei foi proposta pela administração municipal para assegurar o atendimento até que a clínica tenha condições de receber os serviços diretamente do SUS, o que pode levar até um ano.

A clínica de hemodiálise é uma antiga reivindicação da população francisquense e vai atender também a outros municípios da região, já que tem capacidade de atender cerca de 200 pacientes mensalmente.

Com a prestação desse serviço na cidade, o prefeito Enivaldo dos Anjos e o secretário municipal de Saúde, Elcimar Alves de Souza, destacam que, além de reduzir o desconforto e risco de acidentes para os pacientes de hemodiálise de Barra de São Francisco, vai trazer retorno financeiro para outras empresas da cidade, já que os pacientes de outros municípios geralmente passam o dia na cidade e trazem sempre acompanhantes, que vão consumir outros serviços, fazer compras e se alimentarem na cidade.

Maura Cirilo é homenageada

Em julho de 2019, o veículo Chevrolet Spin da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) da Prefeitura de Barra de São Francisco, conduzido pelo motorista Salmo Ferreira Rodrigues, que transportava pacientes para fazer hemodiálise em Colatina, colidiu frontalmente com um caminhão carregado de café. Eles voltavam para casa.

Dona Maura Maria de Paula, conhecida como Maura Cirilo moradora da comunidade do Denzol, distrito de Paulista veio a óbito no local.

A pedido do prefeito Enivaldo dos Anjos, a Clínica Med.Álise foi batizada com o nome da mulher, que era muito conhecida e querida no distrito de Paulista.

Como funciona a hemodiálise

Josi explica que no processo de hemodiálise a máquina basicamente faz a filtragem do sangue que deveria ser feita por esse órgão e uma das partes do processo envolve a passagem do sangue por uma máquina com água. “A osmose é feita por filtros especiais que tiram as impurezas da água utilizada no processo de filtragem do sangue do paciente.”

A água utilizada para hemodiálise precisa ser extremamente purificada. Resíduos de elementos como alumínio, fluoreto, cobre e zinco, comumente deixados pelo tratamento tradicional da água, podem gerar muitos efeitos colaterais nos pacientes renais.

Para tratar a água, o processo de osmose passa a água de um lado para o outro do equipamento através da membrana. Essa, por sua vez, retém as impurezas e poluentes, deixando a água completamente pura para o procedimento de hemodiálise.

Leia mais:  Banestes anuncia novas condições especiais para financiamentos imobiliários

Por meio dos rins nós eliminamos os resíduos tóxicos produzidos no organismo, como a ureia, os compostos nitrogenados e a creatina. Quem tem problema nos rins, porém, precisa se submeter a sessões de hemodiálise de 4 a 7 horas por dia. E pode ser pela vida toda da pessoa, se ela não conseguir um transplante.

“Viemos para Barra de São Francisco porque acreditamos muito no potencial da região, detectamos essa necessidade, então decidimos investir na construção desse centro de hemodiálise. Hoje, a clínica já está em fase de acabamento, bem adiantado e, em breve, chegarão os demais equipamentos. Nós já investimos mais de R$ 4 milhões nessa clínica que pode ser considerada uma das melhores do Espírito Santo. Só sistema de osmose custou R$ 600 mil”, informa a empresária.

Junto com a irmã, Izabeli, que atua na área administrativa, Josi avisa que veio pra ficar e pretende investir mais em saúde. “Este prédio, apesar das pessoas acharem que a clínica está demorando para entrar em operação, foi construído em tempo recorde, pouco mais de um ano e meio e estão faltando apenas detalhes para a clínica entrar em operação”, disse Josi.

Novos serviços

Nos planos da empresária está também a prestação de novos serviços no entorno da clínica, como a Tomografia Axial Computadorizada e até mesmo uma policlínica. “Como o prédio foi construído dentro dos melhores parâmetros de engenharia hospitalar, acabou ficando bem maior do que a nossa necessidade inicial. São 900 metros quadrados e, uma parte, que inclusive pode ser isolada da clínica de hemodiálise, poderá ser usada para implantação de uma policlínica, uma sala de curativos, algo que é muito necessário na cidade”, analisa a empresária.

Restaurante e lanchonete

Nos planos de Josi e Izabeli, está também a implantação de um restaurante e lanchonete ao lado da clínica e também de computadores na sala da espera. “Estamos buscando parceiros para implantar um restaurante e lanchonete aqui ao lado e também vamos colocar alguns computadores na sala de espera, para que os acompanhantes de nossos pacientes não passem desconfortos, afinal, uma sessão de hemodiálise dura, no mínimo, quatro horas”.

Fonte: gazetadonorte.com

publicidade

Cidades

Vitória é líder em desenvolvimento humano no Brasil

Publicado

Vitória lidera o ranking de desenvolvimento humano, de grande porte, por oferecer sustentabilidade para os 370 mil habitantes. A capital foi assim classificada por um levantamento feito pela revista IstoÉ, publicada na última semana de junho deste ano. Para eleger a “Ilha do Mel” entre as principais cidades brasileiras, em 2021, o periódico destacou, por exemplo, o PIB de R$ 21,6 bilhões, o PIB per capita de R$ 59.693,66, e a renda per capita mensal de R$ 3,9 salários mínimos.

No indicador desenvolvimento humano, Vitória foi classificada como grande porte, à frente de Palmas (TO), Brasília (DF), Florianópolis (SC) e Niterói (RJ), no top 5 do ranking feito pela IstoÉ. Para alcançar esse grau, por oferecer sustentabilidade, a capital realizou ações importantes nas áreas de Saúde e Assistência Social, contribuindo para a retomada após o período crítico da pandemia.

Vitória destinou R$500,00 a famílias em maior vulnerabilidade social durante o período mais grave da pandemia por meio do Auxílio Municipal Emergencial.

“São diversas ações que promovem a cidade nesse patamar, com oferecimento de dignidade, igualdade e respeito aos moradores. Na pasta de Assistência Social, buscamos desenvolver iniciativas que reduzam as diferenças, como dar apoio para o restabelecimento de pessoas que viviam em situação de rua, ofertando emprego, renda, saúde, enfim, trazer de volta à sociedade. Para isso, além de termos equipamentos públicos que favorecem esse redirecionamento, também oferecemos melhor atendimento e mais vagas na área da Saúde, principalmente para aquelas pessoas que estão na fila de espera de especialidades, ou mesmo no primeiro atendimento nas Unidades de Saúde, tendo seis delas em funcionamento diário, incluindo sábados, domingos e feriados”, disse o prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini.

O Serviço de Acolhimento Emergencial Transitório, inaugurado em junho de 2021, aumentou para quase 200 o número de vagas para acolhimento das pessoas em situação de rua na capital.

“Não basta oferecermos auxílios em dinheiro para quem mais precisa. Essa é uma iniciativa que faz parte de um conjunto. Então, além de programas de apoio financeiro, temos ações voltadas para o mercado de trabalho, para o cuidado na Saúde, e em outras áreas. Esse ano, estamos distribuindo quase 30 mil tablets para alunos da rede municipal, que vão utilizar a tecnologia para reforçar os estudos, com atividades programadas e guiadas pelas escolas”, completou.

Auxílio

O município obteve capacidade para desenvolver o Auxílio Municipal Emergencial (AME), que destinou R$500,00 a famílias em maior vulnerabilidade social durante o período mais grave da pandemia. O valor foi pago em duas parcelas de R$250 e contemplou até 2.221 pessoas de Vitória, inscritas no CadÚnico e com renda familiar de até meio salário-mínimo per capita.

Leia mais:  Nova Venécia é contemplada com mais um implemento agrícola

Em 2022, Vitória anunciou um programa para erradicar a pobreza, o “Vix + Cidadania”, para famílias da capital que vivem com renda per capita de até R$105. Para serem beneficiadas, devem possuir o Cadastro Único (CadÚnico) atualizado, prioritariamente não serem contempladas pelos programas federais de transferência de renda e cuja situação de vulnerabilidade as coloca em risco de violações de direitos e violência.

O benefício mensal de R$105,01, por pessoa, será concedido através de cartões magnéticos, do tipo vale-alimentação, para aquisição de alimentos, materiais de higiene pessoal e gás de cozinha. O investimento é de R$13,6 milhões e terá a capacidade de atender 5.424 famílias em situação de extrema pobreza e pobreza.

“Esse é o mais robusto plano da Assistência Social em todo o estado do Espírito Santo. Esse programa é o fruto de toda essa reorganização financeira implementada no município. É algo inédito no país. Nenhuma cidade adotou um política pública dessa magnitude para alcançar esse número de famílias em um único município”, destacou o prefeito Lorenzo Pazolini.

Abrigo

Em julho de 2021, foi inaugurado o Serviço de Acolhimento Emergencial Transitório, para atender a população em situação de rua, ofertando quatro refeições diárias, higienização e atendimento psicossocial, aumentando para quase 200 vagas para atendimento da rede socioassistencial a esse público. No dia 7 de junho de 2022, menos de um ano após a abertura do local, 13 pessoas fizeram um curso para garçom, sendo prontamente inseridos no mercado de trabalho, em forma de recomeço a partir da escolha de receberem o atendimento.

Desde o início da atual gestão, 124 residências foram entregues para famílias de baixa renda que tiveram que deixar suas casas em áreas de risco ou de interesse ambiental.

Moradia

Desde o início da atual gestão, 124 residências foram entregues para munícipes de Vitória, entre casas e apartamentos destinados a famílias de baixa renda que tiveram que deixar suas casas em áreas de risco ou de interesse ambiental. A atual administração da cidade iniciou, ainda, o maior programa de regularização fundiária da história do município. Já foram entregues 2119 escrituras, garantindo aos munícipes a propriedade dos imóveis.

Enfermeiro abastecendo seringa com vacina contra CoronavírusVacinação

Para a campanha de vacinação contra a Covid-19 foi preparada uma estrutura completa nos mais diversos formatos, como, imunização em salas de vacinação das unidades de saúde, em hospitais, em domicílios (para pessoas acamadas), postos volantes e por meio do agendamento on-line, a fim de evitar filas e aglomerações, garantindo a segurança e conforto de todos.

Leia mais:  Turismo: perdas no ES superam R$ 200 mi com pandemia

Desde então, Vitória disponibiliza inúmeros pontos de vacinação contra a Covid-19 para o público-alvo da campanha, tornando a cidade que mais vacinou pessoas contra a doença no Espírito Santo e referência nacional em vacinação, com celeridade na aplicação das doses, transparência no processo de vacinação, recebendo inclusive pessoas de outros estados que imunizaram no município.

Vitória já aplicou mais de 1 milhão de doses da vacina, com toda a população adulta vacinada com a primeira e segunda dose, 104% dos idosos com a dose de reforço, 95% dos adolescentes imunizados e 67% das crianças com a vacina no braço.

Especialidades

A atual gestão tem trabalhado para a redução de filas de espera para consultas na área de especialidades, como por exemplo atender mais da metade da população que aguardava por uma consulta em oftalmologia, e zerou a fila dos que aguardavam atendimento em caráter de urgência. Em 2021, havia 15 mil pessoas aguardando por uma consulta ou exame oftalmológico. Hoje, há 7 mil pessoas esperando o atendimento. Com esse novo contrato, serão ofertados mais de 195 mil consultas e exames, uma ampliação em 70% no número de consultas, com investimento de cerca de R$ 2 milhões.

Outras especialidades já estão no mesmo caminho, como por exemplo a ampliação da oferta de ultrassonografia aumentando em, aproximadamente, de 25% a quantidade de atendimentos. A ação, da Secretaria da Saúde (Semus), visa diminuir o tempo de espera para melhorar o diagnóstico e o acesso e a qualidade do atendimento.

Vitória também está ampliando em 54% a oferta de atendimento especializado a pessoas com deficiência (PcD) e Transtorno do Espectro Autista (TEA). Estamos dando um salto de qualidade muito grande no atendimento, passando de 44.628 consultas para 68.628, com um investimento de R$ 3,4 milhões. Temos sempre que melhorar e avançar. Essa é uma luta que respeito muito e sempre fará parte de minhas pautas”, afirma o prefeito.

Casa Rosa - FachadaProteção às mulheres

Outro fator importante está no cuidado que a gestão estabeleceu para mulheres. Com redução de 43% do índice de feminicídios, entre 2020 e 2021, a proteção se expande quando sai da segurança e tem oferecimento de equipamento público para apoio às vítimas. Desde outubro de 2021, Vitória tem um serviço voltado para mulheres e famílias em situação de vulnerabilidade: a Casa Rosa, um Centro de Atenção à Mulher e à Família, que atende mulheres e seus filhos vítimas de violência, contribuindo com a ressignificação e superação de traumas e interrupção da cadeia de violência por meio de ações de acompanhamento e prevenção.

A atual gestão tem trabalhado para a redução de filas de espera para consultas na área de especialidades e zerou a fila de espera por consultas e exames oftalmológicos.

 

Continue lendo

Cidades

Carne irregular: veja sinais que podem indicar a má qualidade do produto

Publicado

Uma empresa de Vila Velha que manipulava carne suína embalada de forma irregular foi interditada nesta terça-feira (05)

Cerca de 15 toneladas de carne suína embalada foram apreendidas na Grande Vitória. Segundo as investigações, ao menos 40 supermercados adquiriram o produto, que era armazenado e manipulado de forma irregular por uma empresa de Vila Velha. O estabelecimento não tinha autorização para funcionar como frigorifico.

A apreensão foi resultado de uma ação conjunta realizada pela Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon) e o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf). A empresa alvo da operação não teve o nome divulgado. 

A apreensão acende um alerta para os consumidores que, na agitação da rotina, muitas vezes não se atentam as questões de segurança e qualidade dos produtos. 

O superintendente do Procon de Vila Velha, George Alves, lembra que o Código de Defesa do Consumidor possui determinações para garantir a segurança do consumidor, que não foram respeitadas pela empresa que funcionava no município.

“A saúde e a segurança são situações que estão claramente previstas no Código de Defesa do Consumidor. É uma preocupação para que todos os consumidores tenham esses cuidados e os fornecedores muito mais”, disse.

Leia mais:  Nova Venécia é contemplada com mais um implemento agrícola

George orienta que os consumidores fiquem sempre atentos aos selos de inspeção dos produtos para evitar comprar mercadorias que podem trazer danos à saúde.

“Já está tão caro! Nos últimos três anos o consumidor brasileiro perdeu mais de 20% o seu poder de compra. A inflação está alta, os juros estão altos, não é justo com o consumidor que, no momento que vai colocar o alimento na mesa, coloque sua segurança em risco”, afirmou.

Empresa manipulava carne suína sem autorização

A empresa de Vila Velha alvo da operação foi interditada na terça-feira (05). Segundo a polícia, ela não tinha autorização para funcionar como um frigorífico. A empresa possuía autorização apenas para realizar o entreposto comercial, isto é, comprar pedaços de carne embalados e revendê-los.

Segundo o titular da Decon, delegado Eduardo Passamani, a empresa fracionava os pedaços de carne suína e armazenava o produto sem se preocupar com as condições sanitárias.

“O entreposto poderia adquirir o produto totalmente embalado e revendê-lo, desde que não manipulasse o alimento. Não poderia abrir a embalagem. Essa empresa interditada fazia justamente o oposto. Ela fracionava os pedaços, armazenava sem condições sanitárias, sem licença para isso e os revendiam aos supermercados em embalagens com uma aparência de um produto aparentemente regular”, explicou.

Leia mais:  Turismo: perdas no ES superam R$ 200 mi com pandemia

As investigações apontam que, a princípio, os supermercados não sabiam que a empresa era irregular. De acordo com o delegado, a embalagem da carne não possuía o selo de inspeção. A carne era vendida embalada a vácuo, com rótulo e até logomarca.

O proprietário da empresa foi multado pelo Idaf e vai responder por crime contra as relações de consumo. Em caso de condenação, a pena pode chegar a cinco anos de prisão. 

Como denunciar irregularidades? 

Ao desconfiar de possíveis irregularidades, os consumidores devem procurar o Procon, acionar a Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor ou os órgãos de controle. Denúncias anônimas podem ser realizadas por meio do Disque Denúncia 181. Todas as informações são investigadas.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana