conecte-se conosco


Segurança

Internos de unidade prisional de Linhares produzem blocos em projeto ressocializador

Publicado

Na Penitenciária Regional de Linhares (PRL), no norte do Estado, internos são responsáveis pela produção de blocos de concreto, utilizados na construção civil. Dez presos participam do projeto “Blocos Estruturais” e são responsáveis pela produção diária de cerca de 500 blocos de alvenaria. A mercadoria é comercializada com preço mais atrativo que os demais itens do mercado e as encomendas são feitas diretamente com a unidade prisional.

O diretor da Penitenciária, Vinicius Narcizo, explica que o projeto foi pensado para possibilitar a ressocialização dos internos, por meio do trabalho aliado a uma entrega à sociedade. 

“A nossa fábrica foi instalada pensando em criar oportunidade de ocupação, tornando-os produtivos e trabalhando também a questão da perspectiva para a vida pós-cárcere. Muitos internos têm alguma experiência na área da construção civil. Desde o início dessa ação, vários comentaram sobre o sonho de construir a casa própria, ajudar a família, sabendo que há possibilidades, por meio do próprio esforço e com materiais alternativos, como os produzidos no sistema”, enfatizou Narcizo.

O Conselho Interativo de Segurança de Linhares é parceiro da Penitenciária Regional de Linhares na iniciativa. Os recursos oriundos da comercialização do material são revertidos para o próprio projeto e também empregados no apoio a outros projetos e na manutenção da unidade e das demais instituições da segurança pública no município.

Expansão do projeto

Para ampliar o projeto, a Secretaria da Justiça (Sejus) destinou, neste mês, uma carreta à unidade prisional. O veículo, modelo Bitrem, irá facilitar o transporte das produções, bem como dos insumos, permitindo a compra direta com fornecedor e ajudando a tornar o preço ainda mais atraente. O diretor Vinicius Narcizo destaca que, nos planos, está a expansão da produção e a ampliação das vendas para outros municípios, além do envolvimento de mais dez internos. 

Os presos que integram o projeto têm direito à remição de um dia de pena a cada três dias trabalhados. A partir da experiência na fábrica de tijolos, muitos são encaminhados para atuação em empresas conveniadas, com trabalho externo remunerado. Dessa forma, o projeto funciona na triagem de habilidades e também como uma escola de aprendizado. 

O interno Adelso Silva conta que tem experiência como ajudante de pedreiro e se aperfeiçoou como pedreiro na unidade prisional. “Cheguei aqui no projeto depois que fiz o curso de pedreiro na unidade. Aqui, aprendi uma nova habilidade, que é a de operador de máquina e, quando sair, quero continuar na construção civil. Esse projeto me ajudou muito e estou empolgado, porque já recebi propostas para emprego nesta linha, após receber alvará”, disse o interno. 

Leia mais:  Produção de horta cultivada em unidade prisional é destinada à população de rua
publicidade

Segurança

Polícia prende principal suspeito do assassinato do diretor do Sine de Nova Venécia

Publicado

A Polícia Civil, com o apoio do serviço de inteligência do segundo batalhão da Polícia Militar de Nova Venécia, conseguiu localizar e prender o principal suspeito de assassinar o diretor do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de Nova Venécia, Dionízio Gonzaga de Oliveira, de 42 anos.
  
O delegado de Polícia Civil de Nova Venécia, William Dobrovosk Simonelli Daniel, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, confirmou a prisão. De acordo com informações, o assassino é acusado de cometer outros homicídios e reside no município de Pinheiros. Entretanto, ele estava escondido na cidade de Boa Esperança.
O suspeito será encaminhado para a 17ª Delegacia Regional de Nova Venécia, onde será ouvido. A Polícia Civil deverá conceder uma entrevista coletiva ainda na tarde desta sexta-feira (26), para falar sobre o caso.

Leia mais:  Produção de horta cultivada em unidade prisional é destinada à população de rua
Continue lendo

Segurança

VÍDEO | Suspeito rouba celular e é atropelado por namorado da vítima em Vila Velha

Publicado

Um homem flagrou o momento exato em que a namorada teve o celular roubado e avançou com o carro para cima do suspeito, que estava de bicicleta, no bairro Itapoã, em Vila Velha. Ao ser atropelado, ele ainda tentou fugir, mas acabou sendo agredido por pessoas que passavam pela região.

Nas imagens, é possível ver toda a ação.  A mulher estava em uma calçada, mexendo no celular, quando o homem passa, se aproxima dela e, de repente, puxa o aparelho das mãos da vítima. O motorista que seguia pela rua flagrou a ação e então foi com o veículo na direção do criminoso. O suspeito chegou a cair, levantou-se em seguida e conseguiu correr.

O motorista do veículo é namorado da jovem assaltada. Ele contou que viu o suspeito se aproximando e não pensou duas vezes antes de agir. “Por coincidência, sorte, no momento em que eu estava chegando,  vi o assalto. Ele estava portando uma arma, que a gente não sabe se era de verdade. Eu tentei fechar ele com o carro para evitar que ele fugisse. Só que ele caiu da bicicleta e continuou correndo a pé. Eu fui atrás e ele poderia ter sido pego antes, mas não foi porque a arma assustou os demais”, afirmou o condutor, que não quis ser identificado.

A ação do criminoso foi rápida, mas ele não conseguiu ir muito longe, pois foi alcançado por populares e agredido com chutes e socos. O crime aconteceu na tarde de quarta-feira (24), e de acordo com a Guarda Municipal, a arma, que supostamente foi usada pelo criminoso durante o assalto, teria sido levada por alguém que passava pelo local antes da chegada dos agentes. Essa pessoa não foi identificada. 

Antes de dar entrada na Delegacia Regional de Vila Velha, o suspeito foi levado ao ´Pronto-Atendimento. 

Leia mais:  6º Batalhão apresenta resultados operacionais do mês de setembro
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana