conecte-se conosco


Segurança

Internos de unidade prisional de Linhares produzem blocos em projeto ressocializador

Publicado

Na Penitenciária Regional de Linhares (PRL), no norte do Estado, internos são responsáveis pela produção de blocos de concreto, utilizados na construção civil. Dez presos participam do projeto “Blocos Estruturais” e são responsáveis pela produção diária de cerca de 500 blocos de alvenaria. A mercadoria é comercializada com preço mais atrativo que os demais itens do mercado e as encomendas são feitas diretamente com a unidade prisional.

O diretor da Penitenciária, Vinicius Narcizo, explica que o projeto foi pensado para possibilitar a ressocialização dos internos, por meio do trabalho aliado a uma entrega à sociedade. 

“A nossa fábrica foi instalada pensando em criar oportunidade de ocupação, tornando-os produtivos e trabalhando também a questão da perspectiva para a vida pós-cárcere. Muitos internos têm alguma experiência na área da construção civil. Desde o início dessa ação, vários comentaram sobre o sonho de construir a casa própria, ajudar a família, sabendo que há possibilidades, por meio do próprio esforço e com materiais alternativos, como os produzidos no sistema”, enfatizou Narcizo.

O Conselho Interativo de Segurança de Linhares é parceiro da Penitenciária Regional de Linhares na iniciativa. Os recursos oriundos da comercialização do material são revertidos para o próprio projeto e também empregados no apoio a outros projetos e na manutenção da unidade e das demais instituições da segurança pública no município.

Expansão do projeto

Para ampliar o projeto, a Secretaria da Justiça (Sejus) destinou, neste mês, uma carreta à unidade prisional. O veículo, modelo Bitrem, irá facilitar o transporte das produções, bem como dos insumos, permitindo a compra direta com fornecedor e ajudando a tornar o preço ainda mais atraente. O diretor Vinicius Narcizo destaca que, nos planos, está a expansão da produção e a ampliação das vendas para outros municípios, além do envolvimento de mais dez internos. 

Os presos que integram o projeto têm direito à remição de um dia de pena a cada três dias trabalhados. A partir da experiência na fábrica de tijolos, muitos são encaminhados para atuação em empresas conveniadas, com trabalho externo remunerado. Dessa forma, o projeto funciona na triagem de habilidades e também como uma escola de aprendizado. 

O interno Adelso Silva conta que tem experiência como ajudante de pedreiro e se aperfeiçoou como pedreiro na unidade prisional. “Cheguei aqui no projeto depois que fiz o curso de pedreiro na unidade. Aqui, aprendi uma nova habilidade, que é a de operador de máquina e, quando sair, quero continuar na construção civil. Esse projeto me ajudou muito e estou empolgado, porque já recebi propostas para emprego nesta linha, após receber alvará”, disse o interno. 

Leia mais:  Polícia prende padrasto acusado de torturar enteado autista em São José do Calçado
publicidade

Segurança

Governador Casagrande entrega 94 novas viaturas à Polícia Militar

Publicado

O governador do Estado, Renato Casagrande, realizou, na manhã desta quinta-feira (21), a entrega de 94 novas viaturas à Polícia Militar do Espírito Santo (PMES). Os veículos serão destinados aos Batalhões e Companhias Independentes dos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica, Viana e Guarapari. A solenidade foi realizada no Quartel do Comando Geral da PMES, em Maruípe, Vitória.

Os veículos são modelo SUV Renault Duster 2022 e contam com os equipamentos mais modernos disponíveis no mercado, como rádios comunicadores digitais, sinalizadores em led, sirene no compartimento do motor, cofre para transporte de conduzidos e segunda bateria para maior eficiência elétrica. Tudo para auxiliar a sociedade capixaba no patrulhamento preventivo, interação comunitária e repressão criminal.

O investimento total é de R$ 9.192.260,00, sendo cada viatura com um custo unitário de R$ 97,7 mil. As novas viaturas fazem parte do reaparelhamento das forças policiais do Estado, dentro das premissas do Programa Estado Presente em Defesa da Vida.

Em sua fala, o governador fez um histórico sobre as ações da gestão no combate à violência no Espírito Santo. “Estamos debatendo muito a segurança pública dentro do Programa Estado Presente. Avançamos muito desde 2011, quando éramos o segundo Estado mais violento do País. O Programa Estado Presente integra todas as forças de segurança nas mais variadas esferas e ainda trabalha com a proteção social. A história desse programa não começou hoje, mas há dez anos”, destacou.

Casagrande prosseguiu: “No final de 2014, entregamos um sistema de segurança pública muito mais adequado. Em 2019, pegamos novamente uma situação delicada e estamos recuperando. Você não sai de uma UTI direto para uma maratona. Neste período de dois anos e dez meses temos o menor número de homicídios registrados na história do Espírito Santo. Temos desafios gigantescos pela frente e sabemos que a sociedade precisa de muito mais.”

O governador falou ainda sobre os ataques contra as instituições, como as Polícias Civil e Militar. “Isso mostra o desconhecimento toda complexidade de enfrentamento ao crime. Pessoas que fazem críticas demagógicas em períodos pré-eleitoral, achando que o mundo está começando agora e de que nada foi feito lá atrás ou sendo feito agora. Mas vamos seguir em frente entregando viaturas, contratando novos policiais e apoiando nossas corporações. Nada vai nos intimidar”, pontuou.

O comandante-geral da PMES, coronel Douglas Caus, destacou que esse momento de reconstrução na Corporação. “Essas viaturas representam bem isso. O trabalho de resgate da Segurança Pública do Estado tem sido exemplar, dentro do Programa Estado Presente, que norteia nossas ações. Estamos fazendo o máximo para prestar o melhor serviço à população capixaba, com planejamento e avanço. Concursos públicos, reposição de efetivo, aumento de investimentos em indenizações aos policiais, viaturas e obras em unidades. Só temos a agradecer ao governador por esse olhar com nossa instituição e fazer a nossa parte para dar o retorno dessas ações tão importantes”, disse.

O secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, coronel Alexandre Ramalho, também falou sobre os investimentos. “A memória até falha se formos buscar o tanto de investimentos que o governador Renato Casagrande vem fazendo nas nossas instituições de Segurança Pública. São muitos! Computação embarcada, novas viaturas e concursos. Com as entregas que estamos fazendo, a frota que foi comprada na primeira gestão está sendo reposta. Estamos tirando da rua viaturas com quase 10 anos de serviço. É inadmissível se deixar chegar a esse ponto. Nós nunca vimos tamanho investimento dentro da Polícia Militar como nessa gestão. Fora o diálogo aberto em todos os sentidos. O passivo é enorme e estamos avançando dia após dia”, afirmou.

Secretário-executivo do Programa Estado Presente em Defesa da Vida, o secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, destacou os resultados do trabalho que vem sendo realizado pelo Governo na reconstrução da Segurança Pública. “Desde 2019, tivemos o melhor resultado de toda a série histórica, dos últimos 25 anos, em decorrência de diversas ações de investimento que realizamos, envolvendo recomposição do quadro efetivo das polícias Civil e Militar, e do Corpo de Bombeiros, equipamentos, infraestrutura, inteligência”, argumentou Duboc.

Duboc disse que a Segurança Pública “entrou na UTI em 2015”, numa referência à falta de investimentos na área, na gestão anterior. Somente no que se refere à entrega de viaturas, afirmou que o número já chega a quase mil, em três anos do atual governo, contra poucos mais de 270 do mesmo período da gestão passada. Ele ressaltou ainda que ações têm influenciado positivamente na capacidade de resposta das agências policiais. “Um exemplo disso foram as prisões, em menos de 24 horas, dos autores de dois eventos muito tristes registrados, recentemente, em Braço do Rio e em Vila Velha, resultado do trabalho integrado da PMES, da PCES e da Guarda Municipal de Vila Velha”, lembrou.

O deputado estadual Luiz Durão, presidente da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa, comentou que os investimentos feitos pelo Governo do Estado na área são importantíssimos para garantir a preservação da ordem pública e retomar a tranquilidade dos cidadãos capixabas.

“Os gestores do programa Estado Presente têm uma responsabilidade com a segurança pública nunca vista em outros governos. São feitos investimentos não só em tecnologia, mas em infraestrutura e, principalmente, nos profissionais, que hoje estão muito mais motivados para combater a criminalidade e nos proteger. Segurança é um tema sensível, que requer trabalho árduo e diário. Mesmo pegando o Estado com defasagem de mais de três mil homens na segurança, o governador Renato Casagrande segue fazendo o dever de casa e enfrentando o crime de peito aberto, de frente e com muita coragem, como tem que ser”, destacou o parlamentar.

A vice-governadora Jacqueline Moraes também participou da solenidade e reforçou a importância das ações do Estado Presente na área de proteção social.  “O programa é uma marca deste governo e foi construído com o propósito de priorizar ações e projetos voltados para o enfrentamento e prevenção da violência através da cidadania. Isso é difícil, mas é o nosso desafio. Com a integração das forças de segurança e os projetos sociais, estamos conseguindo levar cultura, esporte, lazer, palestras e orientações com objetivo de reduzir essa cultura de violência tão presente nos dias atuais”, asseverou.

Também estiveram presentes os secretários de Estado, Álvaro Duboc (Economia e Planejamento) e Coronel Aguiar (Casa Militar); o prefeito de Vila Velha, Arnaldinho Borgo; os deputados estaduais Coronel Alexandre Quintino e Luciano Machado; além de dirigentes de autarquias e órgãos do Estado, vereadores e lideranças da área da segurança pública. 

Leia mais:  Espírito Santo começa vacinação contra a covid-19 para agentes da Segurança Pública
Continue lendo

Segurança

Ramalho lamenta decisão da Justiça sobre prisão de suspeito de chacina: ‘Frustração’

Publicado

Juíza decretou, durante audiência de custódia nesta terça-feira, a prisão preventiva de Saulo da Silva Abner, mas considerou apenas o crime de posse ilegal de arma, relaxando a prisão para os cinco homicídios

O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, lamentou a decisão da Justiça do Espírito Santo de manter preso somente pelo crime de posse ilegal de armas o homem suspeito de matar cinco pessoas e deixar outras quatro feridas durante um churrasco no bairro Darly Santos, em Vila Velha.

Nesta terça-feira (19), a juíza Raquel de Almeida Valinho decretou a prisão preventiva de Saulo da Silva Abner, de 25 anos, durante audiência de custódia. O rapaz está preso no Centro de Triagem de Viana. 

No entanto, a magistrada considerou, em sua decisão, apenas o crime de posse ilegal de arma de fogo, relaxando a prisão pelos homicídios. Ela entendeu que, pelo tempo decorrido desde o crime, no último sábado (16), até a prisão do suspeito, efetuada na segunda-feira (18), já não se aplicava mais o flagrante.

“Primeiramente, relaxo a prisão em flagrante no que tange ao crime de homicídio, em razão do tempo decorrido. Mas em relação ao art. 12, caput da Lei 10.826/03 (posse ilegal de arma) homologo a prisão em flagrante e delito”, escreveu.

Ramalho ressaltou que todas as forças de segurança do Estado se empenharam efetivamente, desde que foram comunicadas do crime, para conseguir capturar o suspeito. No entanto, com a decisão da Justiça, afirma que o sentimento que fica é o de frustração.

“É um crime bárbaro. São cinco homicídios, onde nós nos empenhamos ininterruptamente, por 48 horas, com Polícia Civil, Polícia Militar, Guarda Municipal. Mas esses crimes foram relaxados e ele é mantido preso pela posse de uma arma. Frustração é a palavra. Não tem outro sentimento. Todo o empenho, toda a dedicação, operação de análise, diligências, investigação, inteligência. Todo o esforço para a gente ver o nosso trabalho invalidado”.

O secretário garantiu ainda que a Polícia Civil fará o que for possível para que o suspeito responda ao processo na prisão. Segundo ele, o titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha, delegado Tarik Halabi Souki, tomará as medidas cabíveis.

“Continuaremos fazendo a nossa parte. O delegado é diligente, é muito atuante e fará os recursos adequados junto ao tribunal, porque o nosso desejo é que esse crápula fique devidamente atrás das grades, que é onde ele merece estar”.

Alexandre Ramalho também destacou que a frouxidão das leis brasileiras não favorece o trabalho das forças de segurança.

“É importante chamar a sociedade para essa discussão. Será que a legislação está dialogando com os interesses da sociedade? Com os nossos interesses, eu posso afirmar que não. Porque o nosso interesse era ver esse indivíduo preso, devidamente atrás das grades”.

Crime foi motivado por disputa por terreno

Durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira, para dar mais detalhes sobre o caso, o delegado Tarik Souki contou que Saulo admitiu que a motivação do crime seria uma disputa por um terreno na região.

Segundo o delegado, o homem alegou que teve o lote invadido e resolveu se vingar quando viu pessoas se divertindo em um churrasco, realizado no terreno que ele alegava ser dele.

O delegado afirmou ainda que, após o crime, o suspeito deixou o local tranquilo, sem remorso. Inclusive, registrou um boletim de ocorrência online falso, dizendo que havia sido sequestrado por três homens, com a intenção de enganar a polícia.

Saulo foi preso na tarde de segunda-feira, no bairro Primeiro de Maio, em Vila Velha. Com ele, foi encontrada uma espingarda. De acordo com informações dos policiais que realizaram a prisão, o rapaz estava escondido dentro de um guarda-roupa de uma casa.

Ainda segundo a polícia, Saulo confessou ser o autor do crime, que deixou cinco pessoas mortas e quatro feridas, e assustou os capixabas no último sábado.

Durante o depoimento, o suspeito disse que o local do churrasco era estreito e quando disparou, os alvos se mexeram. Por causa disso, segundo ele, outras pessoas acabaram atingidas.

As vítimas que morreram foram: Elaine Cristina Machado, 49 anos; Felipe dos Santos, 31 anos; Claudionor Liberato, 59 anos; José Quirino Filho, 59 anos; e José Roberto, 54 anos. Os sobreviventes não terão seus nomes divulgados.

Saulo foi autuado por cinco homicídios e quatro tentativas de homicídio, além de porte de arma e falsa comunicação de crime. Ele foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana. 

Leia mais:  25 quilos de cabelo são furtados em loja de Vitória
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana